Rua do Xisto nº 150,
4475-509 Nogueira Maia

(351) 229 607 021
info@apre.pt

Escolher um Sensei de Reiki

|
Escrito por Sérgio Silveira

 

Sérgio Silveira

Presidente da APRE Associação Portuguesa de Reiki Essencial e fundador da Anastácia Centro de Terapias Alternativas 

www.apre.pt

A escolha de um Mestre de Reiki deve ser sempre muito ponderada e acertada. Não é fácil para o comum cidadão avaliar quem possui o treino e experiência competente necessária no ensino de reiki. Hoje em dia é cada vez mais fácil, rápido e barato conseguir um título de Mestre de Reiki. É uma característica do Reiki, funcionar em todos, independentemente da sua evolução e da sua consciência. Entretanto, ser iniciado como Mestre de Reiki, não é uma garantia da compreensão do método e da aquisição da experiência didática necessária. 
Um certificado de mestre em Reiki não faz um Mestre de Reiki, o que o faz é a capacidade de curar e de ensinar. Um instrutor ou professor de Reiki é chamado no ocidente, e no Japão de Sensei. O termo não tem conotação de uma pessoa iluminada, livre do Karma, de alguém que tem “poder sobre os demais”, que seja melhor que os alunos, nem de hierarquia superior. Nós os designados Mestres, somos apenas simples instrutores. Entretanto, à medida que a oferta de cursos de reiki cresce abruptamente, é normal que se sinta em dúvida e até mesmo receoso com a sua escolha. Nas atividades ligadas ao Reiki, tal como nas outras, encontra-se todo tipo de profissionais. Existem Mestres que causam boa impressão, mas que não foram iniciados corretamente pelos seus Mestres, o curso mesmo sendo bom, acaba por não alcançar os resultados provenientes do processo de sintonização e o iniciado acaba por se afastar da técnica por não encontrar os resultados desejados. 

A escolha de um Mestre pode acontecer por intermédio de algum amigo que tenha tido sessões de Reiki ou já tenha sido iniciado no Reiki. De qualquer modo, se tomamos a decisão de investir tempo e dinheiro num curso ministrado por um Mestre profissional de Reiki, é de toda a conveniência ponderar algum do nosso tempo procurando alguém que nos sirva. 

Procuramos alguém que, por assim dizer, esteja no mesmo comprimento de onda energética que a nossa. O Mestre de Reiki deverá fundamentalmente ser alguém com quem possamos facilmente dialogar e que nos possa ajudar a progredir neste novo caminho. Muitas vezes a recomendação de alguém é a melhor forma de encontramos um bom Mestre de Reiki, mas podemos também entrar em contacto com organizações de profissionais de Reiki.

ANALISE DAS CREDENCIAIS

Como as técnicas básicas do Reiki são fáceis de aprender e acessíveis a todos, é importante que nos certifiquemos se o Mestre tem experiência suficiente. Os Mestres profissionais de Reiki devem pelo menos ter completado o grau III de Mestre, há mais de um ano. Há quem goste primeiro de perguntar de que linhagem  o Mestre é, ou seja, através de quem veio obter os seus conhecimentos. É também conveniente saber desde há quanto tempo é que o Mestre tem vindo a explorar o Reiki, e a progredir nos seus conhecimentos ao longo dos diferentes graus. Há quem complete os três graus num curso de fim-de-semana, algo muito errado, pois a maior parte dos Mestres são da opinião que um tal curso não lhes terá dado a compreensão e o desenvolvimento espiritual requeridos.

O QUE PROCURAR NUM MESTRE

Um bom Mestre de Reiki terá muitas das qualidades que procura. Deve ser uma pessoa simpática e aberta, mas acima de tudo também profissional, respeitando sempre a confidencialidade que o seu trabalho envolve. Procura e precisa de alguém que seja sensível às suas necessidades e que esteja disposto a responder a todas as dúvidas que possa ter sobre o Reiki. O mais importante é que se sinta confortável ao falar sobre os aspetos da sua vida e que saiba que o seu Mestre tenha experiência e conhecimentos suficientes para o ajudar. Tente falar com o seu Mestre de Reiki antes de ir à primeira sessão ou curso. A maioria dos Mestres profissionais estarão disponíveis para falar consigo ao telefone ou mesmo para se encontrar consigo antes do tratamento ou curso, o que é excelente para perceber se, realmente se sente à vontade, se o espaço e Mestre correspondem ao que procura. É também uma boa oportunidade para saber quais os honorários a pagar pelo tratamento ou curso de reiki.

A ESCOLHA DA ESCOLA DE REIKI

Embora possa ser iniciado no Reiki em qualquer espaço é muito provável que um Mestre profissional tenha um local, de preferência uma escola de Reiki ou um Centro de Terapias que disponha de condições adequadas à prática e desenvolvimento do Reiki. Devemos salientar mais uma vez que não existe legislação que defina o Reiki, e por isso ser considerado uma escola de Reiki, é só no sentido de expor um local, onde se ensina e pratica o Reiki. Apesar da denominação o espaço é sempre um local de ensino e orientação para o Reiki e o seu desenvolvimento. 

Como toda a aprendizagem leva o seu tempo, será sempre aconselhável escolher um local onde à partida lhe possa garantir não só o espaço para ser iniciado, mas também a necessidade de participar em partilhas de Reiki entre alunos e Mestres. A aprendizagem é constante e nos cursos apenas são ensinadas as bases dessa aprendizagem, depois há que praticar no dia-a-dia, nos relacionamentos, nos comportamentos que temos para com os outros, nas ações que praticamos e até nos pensamentos que temos.

No entanto há que perceber que o Reiki é um caminho, é uma escolha e como tal deve ser aprendido como algo que nos vai ajudar a crescer, algo que vai permitir conhecer ferramentas de autoajuda, e para isso precisamos de um Mestre de Reiki. Muitas vezes nos fizeram perguntas sobre o que é melhor ou pior em termos de aprendizagem no Reiki e nunca nos pronunciamos muito acerca desse facto, pois sempre nos foi ensinado que quando o aluno está pronto, o mestre aparece e não julgues e nem critiques. No entanto, chegamos a um patamar da nossa vida que já não conseguimos pactuar com certo tipo de imprudência, pois se não falarmos das coisas parece que estamos a pactuar com elas.

É preciso abrir os olhos e não embarcar em tudo o que nos dizem, há que pensar pela nossa cabeça. Muitas vezes fazemos coisas porque os outros nos dizem para as fazer, ou porque outros também o fazem e, se eles não fizerem não se vão sentir enquadrados num grupo ou numa sociedade.

Para aprender Reiki todos têm de escolher a pessoa que os vai ensinar e claro que não é uma tarefa fácil, devido à alargada oferta com que se deparam. Cada vez mais surgem pessoas que têm amigos que podem ensinar. Não critico nem julgo, cada um tem de seguir o seu caminho e traçar as suas linhas de conduta, no entanto, o que pretendo é que as pessoas sejam mais esclarecidas, deixem de ser tão ingénuas e façam elas próprias um levantamento sobre as pessoas com as quais vão aprender. 

Depois da escolha da escola temos que perceber que o Reiki é realmente o caminho do coração, mas esse caminho por vezes também tem obstáculos, nem tudo são rosas como muitos parecem querer passar, mas esses obstáculos fazem parte do crescimento e desenvolvimento pessoal de cada um.

UM MESTRE DE REIKI DEVE SER PARA UMA VIDA INTEIRA?

Para alguns este é um tema controverso, mas para nos é um dos fatores mais importantes no Reiki. Não devemos esquecer que um mestre de Reiki é um guardador da tradição de Reiki, e por isso acarreta muitas mais obrigações que os demais. Alguns mestres de reiki dizem que pelo facto do iniciado ter realizado um nível com um determinado Mestre, não cria a obrigatoriedade de realizar os restantes níveis com o mesmo. Sem dúvida que isso envolve a liberdade de escolha de cada aluno, mas, aqui levanto a seguinte questão. Se assim fosse então teríamos alunos a mudarem de mestres de Reiki para outros mestres, e quem sabe a mudar de linhagem a meio dos vários níveis de Reiki, pois achavam que assim estaria bem. Pois de facto entra na liberdade de escolha do aluno, mas não esquecendo que a liberdade de escolha é para todos e, assim também para o Mestre. Cabe-nos a nós Mestres alertar para o rigor, eficácia e alguma disciplina no ensino do Reiki.

É por este motivo que muitos espaços de reiki, optam hoje em dia por não aceitarem alunos de outras escolas, ou obriga-los a passarem por novas sintonizações de reiki de forma a garantirem uma continuação de ensinamentos dentro de uma só linhagem. Se não for assim, esses alunos hoje estão aqui e amanha estarão sabe Deus onde. Na tradição japonesa do Reiki que conhecemos até hoje, nunca um aluno mudava de mestre, por pensar que podia fazer o que lhe ia no coração ou por não sentir a mesma energia que o Mestre. Por isso é que aconselhamos a ponderar seriamente na escolha do local e do mestre de reiki, antes de dar início ao curso. Essas mudanças só têm a sua validade quando alguns Mestres que foram iniciados corretamente, mas que, por algum tipo de necessidade rompem, até determinado ponto, com a ética fazendo modificações substanciais com os processos de iniciação, desconfigurando o ensino a tal ponto, que no meu entendimento, não podemos continuar a chamá-lo de Reiki. 

Existem outros ditos Mestres que em geral, são pessoas que conhecem bastante bem o Reiki, usam bons argumentos e conseguem, às vezes, algum efeito ao realizar as iniciações, apesar de incorretas e inventadas. Nesse caso o resultado é o mesmo, o aluno não consegue atingir o efeito desejado. 

Em todos esses casos, sim podem fazer essa mudança, mas somente em situações desse género. Considero muito imprudente por parte de alguns mestres de reiki, incentivarem os seus alunos a seguirem o que a sua intuição manda. E se a sua intuição mandar atirar-se a um poço, vocês o fazem? Há necessidade de esclarecer o que é mais correto e não passar a responsabilidade para a intuição.

Considero importante que os Mestres de Reiki façam o seu ensino dentro de um ritual de iniciação detalhado e testado pelo tempo, é absolutamente necessário no Ocidente, onde o nível de professores de Reiki está à disposição de qualquer pessoa que possa pagar. Uma iniciação não ocorre por si, por meio de um livro ou de um vídeo. Ela deve ser sempre feita por um catalisador, neste caso, um professor. Todos os mestres têm a obrigação de orientar os alunos nestas questões de uma forma sábia e não lhes incutir uma total liberdade de ações sem pensarem nas consequências. Se não assim for, esses mestres então são Mestres do caos e da desordem, e não da tradição do Reiki. 

Textos retirados do livro "Reiki Essencial o Manual dos Mestres" dos autores Sérgio Silveira e Conceição Pereira - www.centroanastacia.com

 

 

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Categoria: